segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Leça da Palmeira 

O ARTEFACTO MAIS INFLUENTE

"Fountain" (1917) de Marcel Duchamp



"Assim, a "Fonte" de Duchamp ou o "Quadrado Negro" de Malevitch se deixam interpretar como obras de arte inferiores, feias, falhadas, mas ao mesmo tempo originais, novas e fazendo época. Estas duas concepções são igualmente lícitas; ambas dependem de uma interpretação bem determinada, segundo a qual as coisas são interpretadas ou como novas, ou como inferiores. Nenhuma dessas interpretações é sustentada pelo quer que seja, uma vez que não existe nem um fundamento ontológico da norma, nem um fundamento ontológico da alteridade e da não-normatividade universal."

"Du Nouveau" (Boris Groys)

Nada nos alerta melhor do que esta valorização da novidade e do conceito original para as regras de um jogo que deixou há muito tempo para trás tudo aquilo que caracterizava a antiga estética. Mas, pelo facto de existir um "arquivo", como diz Groys, de obras de arte, podemos sempre comparar os novos objectos com os que já fazem parte da cultura.

Não é por acaso que se fala aqui em inferioridade e fealdade. A leitura, que é tudo quanto a diferença reclama, é muito mais fácil de satisfazer do que a emoção e o que dantes se chamava o sentimento do belo.

Talvez este seja o preço a pagar pela liberdade da arte, que já só se refere a si mesma. Mas não deixa de ser verdade que a arte enquanto processo técnico sofreu uma vertiginosa aceleração, a ponto do tempo e a "maturação" poderem nela significar cada vez menos. Basta pensar na arte instantânea ou no ready-made.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

(José Ames)

A DESGRAÇA DO PODER

The Modern Bed of Procustes - Punch cartoon


Ninguém se preocuparia em disfarçar um lapso de memória num assunto sem importância, ou mesmo a dificuldade momentânea de um raciocínio lógico. Porque não submetemos os outros normalmente a juízos desses. A conversação tem outra finalidade, e quando a intenção de examinar as palavras se vê, o discurso deixa de ser natural e o próprio comportamento.

É como olhar nos olhos com atenção. Isso perturba sempre. K. Lorenz já o disse, essa atitude em certos animais corresponde à ameaça de morte. Significa medir um challenger e fazer da luta a única relação possível. Em muitas ocasiões, a sociedade sujeita o indivíduo ao leito de Procusta.

O concurso de admissão para uma empresa numa situação de escassez de emprego é uma violência que conserva, apesar de tudo, a aparência da cortesia e do método. A lei da necessidade económica faz-se aqui sentir imperiosamente, e ainda mais quando a interferência humana desvia a escolha dos critérios mais objectivos. Aqui, o candidato preterido não pensa na espécie de juízo que fazem dele, mas no azar que teve. E é o mais razoável, no fim de contas. Mas devia ser sempre assim quando alguma coisa parece testar-nos. Que importa ser classificado por uma máquina? Todos vemos que a pessoa não pode ser nunca o objecto anónimo dum juízo. O concurso não é humano. E o homem que espia o nosso tropeção, e que em vez de nos levantar sem pensamento nos condena, é a incarnação do teste mecânico.

Ao contrário do anonimato, ser julgado pelo que nos conhece importa-nos tanto como a desgraça física. Mas pelas nossas reacções, pelo medo que mostramos do juízo desfavorável, por esta vontade de agradar que é a paixão juvenil, o outro é alertado e atraído para a mesma ratoeira.

O homem que acaba de receber um título é ainda menos livre para desprezar a opinião. Porque é ela que faz o título. E quem gostaria de usar signos sem valor? Porém, é próprio do signo durar como a instituição e na ausência do homem ser ainda. É próprio do signo tornar o homem ausente. Enquanto que a opinião muda como os humores e o vento.

O neófito do poder quer ser apreciado apesar dos títulos. Mas a consagração desperta nos outros a inevitável comparação. E esse pensamento não pode deixar de ser malevolente e injusto. Tudo é argumento para a razão que quer salvar o amor-próprio. O desprezo compensa-nos da arbitrária escolha armando um jogo em que o outro perde sempre. É preciso ser um santo para virar o desprezo para as próprias honras. O mais fácil, porém, é considerá-las imerecidas e procurar a prova do delito.

Talvez por este conjunto infeliz de circunstâncias, o homem do poder se torne estúpido à força de só poder ser inteligente e mau, porque lhe está vedado errar.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

(Cuenca)

O JOGO DA BONECA


"O passado traz consigo um índex secreto (heimlichen Index) que o destina à redenção (Erlösung). (...) Existe um entendimento secreto (geheime Verabredung) entre as gerações passadas e a nossa. Na Terra, nós fomos esperados. A nós, como a cada geração precedente, foi acordada uma fraca força messiânica sobre a qual o passado faz valer uma pretensão (Anspruch). Esta pretensão, é justo não a negligenciar. Quem quer que professe o materialismo histórico sabe por que razões ( sabe alguma coisa sobre isso: Der historische Materialist weisz darum).

Walter Benjamin ("Illuminationen", citado por Jacques Derrida em "Spectres de Marx")

Se não existisse esse apelo do passado, se a herança não implicasse uma íntima vocação, poderíamos falar de uma verdadeira comunidade?

Derrida refere-se ao messiânico sem messianismo de Benjamin, a propósito do seu materialismo histórico, para relevar que, nesta medida, o "código marxista" era já de certo modo ultrapassado.

Com efeito, o conceito de dominante (em ideologia dominante, por exemplo) que se poderia reduzir ao truísmo da força ser sempre mais forte do que a fraqueza, é aqui posto em causa. O messiânico, mesmo sem um Messias, não é, pelo menos, da ordem da força.

A heterodoxia de Benjamin vai mais longe ainda quando compara "a lenda do autómato capaz de responder, numa partida de xadrez, a cada lance do seu parceiro e de se assegurar do êxito da partida." à sua réplica filosófica da "boneca chamada "materialismo histórico": "Ela pode audaciosamente desafiar quem quer que seja, se tomar ao seu serviço a Teologia, hoje, como se sabe, pequena e feia e que, ainda por cima, não ousa mostrar-se." (ibidem)

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

(José Ames)

O TCHEKOV ESSENCIAL


"Peça inacabada para um piano mecânico" (1977-Nikita Mikhalkov)


Nikita Mikhalkov escolheu algumas personagens do teatro de Tchekov e fez um filme com essa temática: "Peça inacabada para um piano mecânico".

Sem o tempo, nem a economia das peças, não deixamos de reconhecer o tom genuíno, a atmosfera particular, o huis-clos techekoviano que o cineasta não abre mais do que o desejável, mesmo se grande parte do filme decorre em exteriores.

As figuras são nossas conhecidas: o médico que tem medo das estradas e é incapaz de sacrificar o mais estúpido dos prazeres, a ociosidade dos nobres que já não acreditam nos privilégios e por isso sentem a necessidade de constantemente recordarem a si próprios o seu "sangue azul" e a sua ilustração, fazendo gala de um darwinismo social, ou como o inútil do filho da casa que, embevecido pelo feminismo da consorte, se enternece com a ideia de doar os seus fraques aos mujiques.

O velho general dorme à frente de todos. A fé e o amor são traídos pelos melhores e os mais inteligentes, como Platanov. Este, numa cena que lembra o Murnau do "Nosferatu", depois de desmascarar a impotência do velho pretendente de Anna Petrovna, desliza pelo prado cacarejando um demoníaco falsete.

Julgando todo este grupo moralmente exausto, mas sentimentalmente refém, o credor de todos, filho de um operário, parece a demonstração da dialéctica hegeliana do senhor e do escravo.

Platonov é a consciência infeliz deste grupo que se entredevora, espantando o tédio com jogos de salão e foguetórios no rio. E o que mais impressiona é esse não arredar pé uns dos outros, por muito que se canibalizem. A solidariedade do grupo é-lhes mais cara do que a própria dignidade. Por isso, na cena final, todo o bando vem resgatar de braços abertos o rebelde Platonov que acaba de sofrer a última das humilhações com uma ridícula tentativa de suicídio.

Indiferente a este colectivo chilique, o rapazinho, sobrinho do darwinista, volta as costas ao sol da manhã e sonha, talvez, com um mundo sem raízes.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

OUTRAS MECÂNICAS




"É apenas com os progressos da civilização e da Razão que a subjectividade fortificada e a dominação consolidada reduzirão a festa a uma simples farsa. Os senhores introduzem a noção de gozo racional, como um tributo pago à natureza que não foi inteiramente domesticada; e tentam ao mesmo tempo neutralizar o gozo pelo seu uso e conservá-lo na forma superior da cultura; para aqueles que estão submetidos, eles tentam dosear esse gozo quando não os podem privar dele completamente. O prazer torna-se objecto de manipulação até que desapareça inteiramente nos divertimentos organizados. A evolução vai da festa às férias."

"La dialectique de la Raison" (Max Horkheimer e Theodor Adorno)

Este terreno é por de mais escorregadio. Que podemos saber da experiência subjectiva do primitivo? Por outro lado, parece ignorar-se a dependência do prazer em relação ao interdito e à disciplina. A organização não devia ser, à partida, contrária ao prazer. Mas sabe-se que Sade, guiando-se apenas pela razão, chegou ao sexo mecânico.

O conceito de dominação que perpassa nestas linhas confere ao poder uma falsa omnisciência. Não é de admirar que depois da mais-valia, o explorador se interesse pela própria vitalidade, numa economia já libidinal.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017


(José Ames)

A ÓPTICA DO AMOR

Jesus e Madalena (Catedral de Chartres)

"É por isso que as mulheres um pouco difíceis, que não se possuem de imediato, das quais nem se sabe logo se algum dia poderão ser possuídas, são as únicas interessantes. Porque conhecê-las, aproximarmo-nos delas, conquistá-las, é fazer variar de forma, de grandeza, de relevo a imagem humana, é uma lição de relativismo na apreciação de um corpo, de uma mulher, bela quando se volta a percepcionar, quando retoma a elegância da silhueta no cenário da vida. As mulheres que se conhecem primeiro através da proxeneta não interessam, porque permanecem invariáveis."

"Le côté de Guermantes" (Marcel Proust)

Há aqui alguma perversão "voyeuse", que reduz o amor à imaginação. O corpo visto como um caleidoscópio imerge no mundo físico da óptica que transvasa da relação amorosa. E, singularmente, o que falta aqui, o aspecto moral do amor, surge como preconceito sob a forma da invariância, a propósito das mulheres fáceis.

Mas não é a figura cristã da Madalena ( não das madalenas de Combrai) o próprio desmentido da invariância?

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

O Vístula 

O PARTIDO DO AMOR





"(...) se me tivessem perguntado em que é que - no decurso dessa tagarelice interminável, em que calava a Albertine a única coisa em que pensava - se baseava a minha hipótese optimista a respeito de possíveis complacências, eu teria talvez respondido que esta hipótese era devida (enquanto os traços esquecidos da voz de Albertine redesenhavam para mim o contorno da sua personalidade) à aparição de certas palavras que não faziam parte do seu vocabulário, pelo menos na acepção que ela agora lhes dava."

"Le Côté de Guermantes" (Marcel Proust)

Há, claro, todo um preconceito nesta apreciação da jovem amiga que o visita em Paris, e perante a qual se encontra numa situação simétrica àquela em que tinha experimentado uma resistência (então, era ela que estava deitada), mas também perante o poder de uma presença fisicamente decepcionante, a ponto de, para guardar alguma coisa da imagem que o simples nome evocava, desejar, por momentos, fechar os olhos. Com efeito, pressupunha que essa mudança de vocabulário não era espontânea no meio social de Albertine. Isso sugeria-lhe como que uma perda de inocência propícia ao "partido do amor", como diria Stendhal. "'Selecção'(com o significado de elegante), mesmo para o golfe, pareceu-me tão incompatível com a família Simonet, como o seria, acompanhada do adjectivo 'natural', com um texto anterior de vários séculos aos trabalhos de Darwin."

Depois, o efeito de sugestão numa imaginação literária como a de Marcel de uma frase como: "C'est à mon sens, ce qui pouvait arriver de mieux...J'estime que c'est la meilleure solution, la solution élégante.", no que ela promete de uma evolução misteriosa, num sentido indefinido, mas tão cativante pela novidade que, contrariando o desejo manifestado várias vezes pela sua amiga de se despedir, a essas palavras a atraiu a si e a fez sentar de novo na beira do leito.

E Marcel, que não amava ainda essa "rosa à beira-mar", de pétalas tão defeituosas, como não podia ter deixado de se aperceber pela proximidade, começava, enfim, a vislumbrar o princípio completamente independente do físico que explica a paixão amorosa.