terça-feira, 20 de dezembro de 2016

O QUE ESTÁ EM CAUSA NA MÚSICA

A "Orelha de Dionísio" (Siracusa)

"A doutrina de Platão acerca da música é posta em causa simplesmente porque o ritmo e a melodia, acompanhados pela dança, são a expressão mais bárbara da alma. Bárbara, não animal. A música é o meio ambiente da alma humana na sua condição mais extática de admiração e terror. Nietzsche, que em grande parte concordava com a análise de Platão, diz em "The Birth of Tragedy" (que não se esqueça o resto do título, "Out of the Spirit of Music") que foi uma mistura de crueldade e de grosseira sensualidade que caracterizou este estado, o qual evidentemente era religioso, e posto ao serviço dos deuses. A música é o discurso primitivo e primário da alma e é o chamado alogon, sem discurso articulado ou razão. Não só não é razoável, mas hostil à razão."
Allan Bloom ("A Cultura Inculta")

Esta deve ser das ideias de Platão mais indigestas para a modernidade. Embora não banisse toda a música do seu Estado ideal, mas a sensualidade de influência oriental (e, sobretudo, o modo lídio), considerava que não era possível educar a juventude se não se exercesse o que aos nossos olhos não pode deixar de ser visto como uma censura intolerável sobre a música e a poesia.

Ora, como diz Bloom, se há coisa que concite o fervor e a unanimidade entre uma juventude que deixou de se rever na tradição e procura as suas referências nas areias movediças do relativismo moderno é a música, precisamente.

A música é, porventura, um dos poucos antídotos do individualismo dominante. Não admira que o arcaísmo da sua função religiosa exerça uma tal atracção (a par do tribalismo dos estádios desportivos).

A desumanização (ou o anti-humanismo) do nosso tipo de vida é que engendra esta espécie de terapêutica regressiva, em busca dum equilíbrio perdido. Platão seria hoje tão utópico como o foi na corte de Dionísio, o tirano de Siracusa.
E é essa radicalidade, expressa na mais bela das formas, que o torna eterno. O seu ódio à democracia e o seu endeusamento da razão são, assim, os brilhantes pontos fixos dum outro firmamento que deveria ser a carta do ser pensante.

Mas pontos fixos, não modelos.

1 comentários:

savio_bentolila@hotmail.com disse...

A música é a solução para tudo já dizia Platão....até para solucionar corrupção...música é alma,esperança,valor,ética,humildade,saber,sabedoria,amor e familia.